Temblante para blog







Pesquisar este blog:

IPRIMIR

Print Friendly and PDF

domingo, 15 de abril de 2012

INTERTEXTUALIDADE DA FÁBULA "A RAPOSA E AS UVAS" - ESOPO E MILLÔR FERNANDES

Estudo dos textos

TEXTO I

A RAPOSA E AS UVAS

Uma raposa estava com muita fome. Foi quando viu uma parreira cheia de lindos cachos de uva.
Imediatamente começou a dar pulos para ver se pegava as uvas. Mas a latada era muito alta e, por mais que pulasse, a raposa não as alcançava.
— Estão verdes — disse, com ar de desprezo.
E já ia seguindo o seu caminho, quando ouviu um pequeno ruído.
Pensando que era uma uva caindo, deu um pulo para abocanhá-la. Era apenas uma folha e a raposa foi-se embora, olhando disfarçadamente para os lados. Precisava ter certeza de que ninguém percebera que queria as uvas.
Também é assim com as pessoas: quando não podem ter o que desejam, fingem que não o desejam.

(12 fábulas de Esopo. Trad. por Fernanda Lopes de Almeida. São Paulo: Ática, 1994.)


TEXTO II

A RAPOSA E AS UVAS

De repente a raposa, esfomeada e gulosa, fome de quatro dias e gula de todos os tempos, saiu do areal do deserto e caiu na sombra deliciosa do parreiral que descia por um precipício a perder de vista. Olhou e viu, além de tudo, à altura de um salto, cachos de uva maravilhosos, uvas grandes, tentadoras. Armou o salto, retesou o corpo, saltou, o focinho passou a um palmo das uvas.
Caiu, tentou de novo, não conseguiu. Descansou, encolheu mais o corpo, deu tudo o que tinha, não conseguiu nem roçar as uvas gordas e redondas. Desistiu, dizendo entre dentes, com raiva: “Ah, também não tem importância. Estão muito verdes”. E foi descendo, com cuidado, quando viu à sua frente uma pedra enorme. Com esforço empurrou a pedra até o local em que estavam os cachos de uva, trepou na pedra, perigosamente, pois o terreno era irregular, e havia o risco de despencar, esticou a pata e… conseguiu! Com avidez, colocou na boca quase o cacho inteiro. E cuspiu. Realmente as uvas estavam muito verdes!

Moral: a frustração é uma forma de julgamento como qualquer outra.

(Millôr Fernandes. Fábulas fabulosas. Rio de Janeiro: Nórdica, 1991. p. 118.)


 COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO

1. Fábula é uma pequena narrativa, muito simples, em que as personagens geralmente são animais.

a) Na fábula de Esopo, a raposa, com fome, vê “lindos cachos de uva”. Se os cachos eram lindos, por que, então, a raposa diz que as uvas estavam verdes? Porque não as alcançava.

b) A raposa, não alcançando as uvas, vai embora. Que fato posterior a esse comprova que a raposa mentia ao dizer que as uvas estavam verdes? O fato de voltar-se rapidamente para trás, pensando que uma uva tivesse caído.

2. As fábulas sempre terminam com uma moral da história, isto é, com um ensinamento.

a) Identifique no texto o parágrafo que contém a moral da fábula de Esopo. A moral está no último parágrafo do texto.

b) Qual das frases abaixo traduz a ideia principal da fábula de Esopo?

• Quem não tem, despreza o que deseja.
• A mentira tem pernas curtas.
• Quem não tem o que deseja, sente inveja dos outros.

3. Compare a versão de Millôr Fernandes à de Esopo.

a) Até certo ponto da história, as duas fábulas são praticamente iguais. A partir de que trecho a versão de Millôr fica diferente da versão de Esopo? No momento em que a raposa sobe em uma pedra para alcançar as uvas.

b) Qual é o fato da versão de Millôr que altera completamente a história?

4. A moral da história de Millôr Fernandes é claramente identificada: “a frustração é uma forma de julgamento como qualquer outra”.

a) Consulte o dicionário e veja qual sentido das palavras frustração e julgamento corresponde ao que elas têm no contexto. Depois troque idéias com seus colegas e com seu professor e responda:
O que essa moral quer dizer?

b) Qual das frases abaixo traduz a idéia principal dessa moral?

• Uma pessoa frustrada não sabe fazer um bom julgamento.
• Às vezes, uma mentira acaba expressando uma verdade.
• Uma pessoa malsucedida acaba tirando conclusões erradas.

5.  Na fábula de Esopo, lemos: “a latada era muito alta e, por mais que pulasse, a raposa não as alcançava”. Em qual das frases abaixo a expressão destacada tem sentido mais aproximado ao da expressão por mais que?

a) Uma vez que pulava, a raposa não as alcançava.
b) A não ser que pulasse, a raposa não as alcançaria.
c) Mesmo que pulasse, a raposa não as alcançaria.
d) Quando pulava, a raposa não as alcançava.

6. Em seu texto, Millôr Fernandes empregou as expressões fome de quatro dias e gula de todos os tempos.

a) Qual a diferença entre fome e gula?

b) O que significa gula de todos os tempos? Uma gula enorme.

7. No texto I e no II foi utilizado o discurso direto e indireto? Justifique sua resposta com uma frase do texto.





Tchau: 4

















































Nenhum comentário:

Indique este blog a um amigo.