Temblante para blog







Pesquisar este blog:

Carregando...

IPRIMIR

Print Friendly and PDF

quarta-feira, 24 de março de 2010

CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM

As três concepções de linguagem:

Primeira tendência - linguagem como expressão do pensamento;

Segunda tendência - linguagem como meio objetivo para a comunicação;

Terceira tendência -  linguagem como processo de interação verbal.

      É importante que o educador conheça essas três concepções de linguagem, pois, assim, ele saberá encaminhar um ensinoaprendizagem de qualidade em relação a nossa língua materna. Dessa forma, o modo como se concebe a natureza da língua altera em muito o como se estrutura o trabalho com a língua em termos de ensino. A concepção de linguagem é tão necessária e importante como a concepção de educação. Por quê?


      Como já mencionamos, essa concepção de linguagem e língua encaminhará o professor para o desenvolvimento de estratégias eficientes para a aula de língua portuguesa.



PRIMEIRA TENDÊNCIA: LINGUAGEM COMO EXPRESSÃO DO PENSAMENTO



      Esta primeira tendência busca explicar a linguagem a partir das condições de vida psíquica individual do sujeito falante.

      Apóia-se na enunciação monológica como ponto de partida para sua reflexão a respeito da linguagem e a apresenta como ato puramente individual, isto é, a enunciação se forma no psiquismo do indivíduo, exteriorizando-se, objetivamente, para outro com a ajuda de algum código de signos exteriores.

      A expressão, ou seja, a linguagem se constrói no interior, sendo sua exteriorização apenas uma tradução. É a atividade mental que organiza a expressão, modelando e determinando sua orientação.

      Dessa forma, a língua é vista como produto acabado, sistema estável (léxico, gramática, fonética) apresenta-se como depósito inerte. Isso significa que para os teóricos dessa tendência, a linguagem é uma faculdade divina. O homem já nasce com a capacidade de exteriorizar seu pensamento que é gerado no seu psiquismo. De sua capacidade de organizar o pensamento, dependerá sua exteriorização. Se o homem não consegue uma organização lógica para seu pensamento, sua linguagem estará afetada, isto é, desarticulada, desorganizada.

      Portanto, isso equivale dizer que se ele não consegue se expressar com logicidade é porque não é capaz de pensar. Assim, presume-se que há regras a serem seguidas para se alcançar a organização lógica do pensamento, e, consequentemente da linguagem. A linguagem como expressão do pensamento refere aos estudos tradicionais que acreditam que as pessoas que não conseguem se expressar não pensam.



SEGUNDA TENDÊNCIA : LINGUAGEM COMO MEIO OBJETIVO PARA A COMUNICAÇÃO



      O centro organizador de todos os fatos da língua para essa tendência situa-se no sistema lingüístico, a saber: o sistema de formas fonéticas, gramaticais e lexicais da língua.

      A língua é considerada como um aspecto imóvel, onde cada enunciação é única e não reiterável, mas em cada enunciação encontram-se elementos idênticos aos de outras enunciações no seio de um determinado grupo de locutores.

     Nessa tendência o sistema lingüístico é percebido como um fato objetivo externo à consciência individual e independente desta.

     Desta maneira, a língua é um sistema estável, imutável, de formas lingüísticas submetidas à norma fornecida tal qual a consciência individual e peremptória para esta. E as leis da língua são essencialmente leis linguísticas específicas, que estabelecem ligações entre os signos linguísticos no interior de um sistema fechado.

     Pelo exposto, pode-se afirmar que também essa tendência está voltada para o estudo da enunciação monológica isolada, reduzindo-se às relações imanentes no interior do terreno da enunciação.

     Todos os problemas advindos das questões externas da enunciação ficam excluídos no estudo dessa tendência, quer vai além dos elementos constitutivos da enunciação monológica. Seu alcance máximo é a fase complexa (o período).

     Dessa forma, a linguagem como instrumento de comunicação vê a língua como código, (conjunto de signos que se combinam, segundo regras) capaz de transmitir ao receptor uma mensagem, isso quer dizer que é necessário que os envolvidos no ato manipulem os sinais do código de forma comum, preestabelecida.

     Então, existem regras que devem ser perseguidas pelo falante –ouvinte para que se estabeleça a comunicação. Essas regras serão resgatadas pela gramática.



TERCEIRA TENDÊNCIA: LINGUAGEM COMO PROCESSO DE INTERAÇÃO VERBAL



      Entende essa tendência que a verdadeira substância da linguagem não é constituída por um sistema abstrato de formas lingüísticas, nem pela enunciação monológica, nem pelo ato psicofisiológico de sua produção, mas pelo fenômeno social da interação verbal, realizada através da enunciação ou das enunciações. A interação verbal constitui, assim, a realidade fundamental da linguagem.

      A comunicação verbal só pode ser explicada e compreendida nas relações da interação concreta e na situação extralingüística, não só a situação imediata, mas também, através dela, o contexto social maios amplo.

      Nessa tendência a língua constitui um processo em evolução ininterrupta, que se realiza através da interação verbal social dos locutores.

      Assim, as leis da evolução linguística não são de maneira alguma as leis da psicologia individual, mas também não podem ser divorciadas das atividades dos falantes. As leis da evolução linguística são essencialmente leis sociológicas. E, quanto à estrutura da enunciação, é uma estrutura puramente social. A enunciação como tal só se efetiva entre falantes.

      Essa tendência percebe a linguagem como produto histórico-social e, diferentemente da anterior, realça que a fala, como fenômeno social, está sempre ligada às estruturas sociais.

     Logo, a linguagem como forma de interação é vista como um lugar de interação humana. Implica numa postura de educar diferenciada uma vez que situa a linguagem como o lugar de constituição de relações sociais, onde os falantes se tornam sujeitos.

     Vale referir, no modo como se entende a linguagem , pois esse entendimento reflete no modo como se lida com seu ensino nas aulas de língua portuguesa. Por exemplo: se a linguagem é entendida como mera expressão do pensamento, seus adeptos acreditam que o ensino da gramática prioriza o falar e o escrever bem.
      Recapitulando as três concepções de linguagem:


→ A primeira concepção vê a linguagem como expressão do pensamento. Para essa concepção as pessoas não se expressam bem porque não pensam.

→ A segunda concepção vê a linguagem como instrumento de comunicação. Nessa concepção a língua é vista como um código, ou seja, como um conjunto de signos que se combinam segundo regras, e que é capaz de transmitir uma mensagem, informações de um emissor a um receptor.

→ A terceira concepção vê a linguagem como forma ou processo de interação. Nessa concepção o que o indivíduo faz ao usar a língua não é tão-somente traduzir um pensamento, ou transmitir informações a outrem, mas sim realizar ações, agir, atuar sobre o interlocutor (ouvinte/leitor).

     
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS


NEDER, Maria Lúcia Cavalli. Concepções de linguagem e o ensino de língua portuguesa. (Letras - IL - UFMT).

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1° e 2° graus. São Paulo, Cortez, 1996.






































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































Nenhum comentário:

Indique este blog a um amigo.