Temblante para blog







Pesquisar este blog:

IPRIMIR

Print Friendly and PDF

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

TEREZA ALBUÉS


A escrita de Tereza Albués surgiu na segunda metade do século XX, um período em que a escrita feminina ganhava um espaço individualizado, em que a autora procura desenvolver seu próprio estilo de escrita e tema, antes não era dessa forma, as escritoras reuniam-se em grupos, como, o Grêmio Literário Júlia Lopes, e publicavam seus trabalhos literários na revista A Violeta, todos os trabalhos literários das escritoras envolvidas eram de apenas uma temática, ou seja, era uma literatura homogênea. Mas, como dissemos na segunda metade do século XX, essa questão da homogeneidade, por exemplo, o amor, toma outros rumos, e a questão social e a prosa de maior volume ganha seu espaço individualizado.

Vemos aparecer então nesse período uma escrita própria, de cunho individual, uma prosa de maior volume tratando das questões sociais, engajada com os problemas da região. E é aqui que encontramos a escrita do nosso trabalho. Uma escrita envolvida com as questões sociais de nossa região, mas também mostrando o outro lado, uma região bem distante da nossa, Nova York, rica, porém com seus problemas, e além das questões sociais a autora nos apresenta o Fantástico, uma mistura de realidade com o irreal.

Mas quem é essa autora?

Terezinha Belta de Albués Eisenstat nasceu em Várzea Grande, no ano de 1936, graduou-se pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, no curso de Direito, Letras e Jornalismo. Na década de 80 mudou-se para os Estados Unidos, onde morou de 1980 até 1983 em São Francisco, depois se mudou para Nova York, ao todo foram 25 anos de vida nos Estados Unidos.

Tereza era casada com o arquiteto Robert Eisenstat, tinha dois filhos. A romancista faleceu na manhã do dia 5 de outubro de 2005, aos 69 anos, devido a um câncer no intestino, o qual a autora lutava havia seis meses, infelizmente, não conseguiu êxito. Seu corpo foi cremado em Nova York, onde ela residia.

Tereza Albués começou escrever no exterior, mas isso não fez com que esquecesse sua terra de origem, pelo contrário é fora de sua terra de origem que a escritora faz um pelo traçado de Mato Grosso. Em um certo momento na obra a narradora diz:

Comecei a escrever em San Francisco. Meu primeiro romance traz o frescor de chuvas molhando o cerrado, as pessoas me perguntando, como é que pode, você tão longe e tão presente? Embora pareça paradoxal, é isso o que acontece. A pessoa se distancia e vê com mais clareza. Lê com mais nitidez o seu interior, avalia a bagagem de experiências armazenadas durante anos, sente necessidade premente de se comunicar com o mundo. Talvez inconscientemente queira defender ou preservar aquilo que traz dentro de si, tem medo que se perca ou tome outras feições em contato com a nova cultura. Não sei ao certo. Mas a força que me impulsionava a passar para o papel as minhas lembranças era tão poderosa que eu não podia resistir [...]. (ALBUÉS, 1995).
A sua narrativa trabalha muito essa experiência que a escritora viveu, aqui em Mato Grosso, uma vivência com lendas e um realismo dramático, experiências que foram fundamentais para a construção de seus romances. Tudo influenciou na sua obra, o ambiente, a vida, enfim sua escrita mostra o que viveu aqui no Brasil, em Mato Grosso, juntamente com a entrada de outra cultura, no caso a dos Estado Unidos, que Tereza faz com maestria.

Tereza Albués escreveu cinco romances:

Pedra Canga – 1987;
Chapada da Palma Roxa – 1990;
A travessia do Sempre Vivos – 1993;
O Berro do Cordeiro em Nova York – 1995;
A Dança do Jaguar – 2001.

Todas suas obras, com exceção do livro A Dança do Jaguar, que foi lançado pela Editora 00 h 00, na Embaixada do Brasil de Paris, os demais foram escritos em português e editado no Brasil. Os três primeiros têm como cenário a região de Mato Grosso. Já o último tem como cenário a região de São Francisco, e assim como O Berro do Cordeiro em Nova York, o romance se desenvolve numa dimensão real e fantástica.

Em 1999, a romancista recebeu a menção honrosa no concurso de contos Guimarães Rosa em Paris, com o conto Buquê de Línguas.

4





 

Nenhum comentário:

Indique este blog a um amigo.