Temblante para blog







Pesquisar este blog:

IPRIMIR

Print Friendly and PDF

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

MARILZA RIBEIRO

“Nesse espaço mudo
Onde as vozes

Tão mortas... tão caladas...
Jas um gemido que
 Explode em chamas
 Nesta hora aflita
 Meu Poema... Meu Grito...” (Corpo desnudo, 1981, p. 14)

Marilza Ribeiro Cardoso nasceu em Cuiabá, em 27 de março de 1934, filha de descendentes de europeus não compreendia as injustiças sociais que estava acontecendo ao seu redor. Desde cedo dedicou-se à literatura, com a publicação de contos. Aos 17 anos já era locutora de rádio, em Cuiabá, aliás uma das primeiras da cidade, também foi produtora dos programas: “viajando pela Pan air”e “Caludoscópio feminino”, e na emissora de rádio “A voz do Oeste”, juntamente com o jornalista, José Rabello.
Nos anos de 1951 – 1953, ela participou de um grupo de escritores mato-grossenses, entre eles Silva Freire, que tinha o objetivo de divulgar a poesia, então esses escritores faziam apresentações em saraus, apresentações públicas, festas em escolas, tudo isso para realizar uma aproximação entre o público e a arte poética.
No início da década de 70 vai para São Paulo, onde obteve contato com escritores nacionais, os quais influenciaram de modo significativo em sua visão literária. A esse respeito declara Célia Maria Domingues da Rocha Reis:

Nesse período, em São Paulo, momento de efervescência cultural, dos grandes festivais, fase em que estava vigorando o teatro de protesto, as grandes criações da dramaticidade brasileira, que coabitaram com as perseguições políticas, fez boas amizades com artistas, freqüentou rodas culturais; nutriu-se das diversidades de pensamento. (REIS, 2006, p. 196)

Formou-se em psicologia na Faculdade de São Marcos e essa formação manifestou-se em seu modo de escrever, como diz Yasmin Jamil Nadaf,
Conhecedora da alma humana - traço de sua vivência profissional e pessoal – a autora questiona em sua obra a existência humana, e expressa a sua indignação com a atual condição do ser no mundo, cujas relações sociais se brutalizam em decorrência de um mercado dominado por uma visão mecanicista, calculista. A aparência suplanta a essência e o mercado que explora o ser pouco ou nada de bom tem-lhe oferecido em troca. (NADAF, 2004, p. 117)
A escrita de Marilza Ribeiro teve a ruptura com a convenção literária, motivada pelo contato com escritores românticos, a partir daí, Marilza percebeu que podia colocar na poesia seus sentimentos, sem a preocupação com a forma, Nadaf (2004, p. 117) considera que, “Os versos de Marilza Ribeiro apresentam-se metricamente alternados, ora longos, ora enxutos, e ora ainda como poemas em prosa”. Diante disso, vamos encontrar uma escrita que utiliza o uso racional do espaço oferecido pela página, a disposição geométrica dos versos, sem deixar de lado a questão social.
Atualmente, Marilza Ribeiro mora em Cuiabá e está se dedicando as atividades culturais, especialmente, ligada à literatura, prepara-se para os próximos anos a publicação de textos em prosa, contos e peças de teatro. Até o momento ela publicou:

Meu grito (poemas para um tempo de angústia), 1973;
Corpo Desnudo, 1981;
Cantos da terra do sol, 1998;
A dança dos girassóis, 2004;
Palavras de mim, 2005.
Textura solar;
Gosto de bocaiúva com picumã;
Cuiabá Dona Menina;
Signos de fogo;
Cuiabá por um fio

A prosa, em Mato Grosso teve início no século XX, é na primeira metade desse século que vemos surgir os contos e crônicas. Já o romance surgiu apenas na segunda metade do século XX.
A escrita de Marilza Ribeiro surgiu na segunda metade do século XX. Um período em que a escrita feminina ganhava um espaço individualizado, em que a autora procura desenvolver seu próprio estilo de escrita e tema. Antes não era dessa forma, as escritoras reuniam-se em grupos, como, o Grêmio Literário Júlia Lopes, e publicavam seus trabalhos literários na revista A Violeta, todos os trabalhos literários das escritoras envolvidas eram de apenas uma temática, ou seja, era uma literatura homogênea. Mas, como dissemos na segunda metade do século XX, essa questão da homogeneidade, por exemplo, o amor, toma outros rumos, e a questão social ganha espaço.
Portanto, é em meio a essas questões social-político-econômicas mencionadas que vamos encontrar a escrita de Marilza Ribeiro, que foi militante nas décadas de 60, 70, 80, dos intensos movimentos reivindicatórios da participação feminina na política, na administração pública, em sua emancipação financeira. Marilza também preocupou-se com o capitalismo crescente, com a destruição da natureza, o sofrimento dos oprimidos, luta em favor da liberdade, enfim, uma voz em favor dos menos favorecidos. A respeito de seu modo de escrever, declara Hilda Magalhães: [...] sua escrita é o instrumento de denúncia do processo de dominação que reina nos latifúndios mato-grossenses e que é responsável por uma história de sangue e medo. Tomando essa realidade como tema, Marilza Ribeiro faz de sua literatura a voz dos que não têm vez ou voz [...]. (MAGALHÃES, 2001, p. 230)
Seu primeiro livro foi publicado em São Paulo, no ano 1973, Meu Grito – poemas para um tempo de Angústia, vê-se uma preocupação com o social, um compromisso com os menos favorecidos, ou seja, uma poesia comprometida com o aqui e o agora, a qual opta por personagens como, meninos de rua , mulher, trabalhadores braçais, garimpeiros, entre outros. Mas também encontramos traços existencialistas, que irá se acentuar em Corpo Desnudo.
Corpo Desnudo, foi publicado em 1981, nessa obra o encontro com o erótico e o social, acontece sem nenhum problema. É o diz Clóvis Moura,
Nesta poetisa harmonizam-se o sensual e o critíco-social sem nenhuma fratura  "[...] Disse que a poesia de Marilza Ribeiro era dionísica. Isto porém, não impede que, através dessa linguagem, abandone os grandes momentos de tensão social, as grandes angústias coletivas [...]”. (Corpo desnudo, 1981, p.11)
Foi necessário fazermos essa breve apresentação, porque é justamente essa temática, envolvendo o compromisso com o social, menos privilegiados, a opressão, medo, perda, injustiças, angústias coletivas, enfim, uma escrita marcada pelo protesto social, que também encontraremos em sua prosa.































Nenhum comentário:

Indique este blog a um amigo.